BELO HORIZONTE (10/12/2019) – O desenvolvimento das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) tem proporcionado mudanças rápidas na sociedade. É preciso ter atenção para não ficar desatualizado ou desconectado. Isso não é apenas nas grandes cidades, mas também nas pequenas e, claro, no campo. Aos poucos a chamada Agricultura 4.0 ou digital tem ocupado espaço na agropecuária. Com isso, a expectativa é que técnicos e produtores estejam melhor preparados para uma produção sustentável e um mercado exigente.

Inovações sempre geram desafios, mas também oportunidades. Com isso é preciso se adequar às mudanças o mais rápido, visando resultados positivos. Esse é o momento que está vivendo o serviço de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater), com a entrada em cena da Agricultura 4.0.

Para o presidente da Associação Brasileira das Entidades de Assistência Técnica e Extensão Rural (Asbraer), Nivaldo Moreno de Magalhães, a Agricultura 4.0 modifica e automatiza muitas etapas do ciclo produtivo do agronegócio, trazendo maior produtividade, redução de custos e agilidade nos serviços de Ater. Ele acredita que é fundamental que as empresas de Ater estejam preparadas para que possam aproveitar todos os benefícios.

“A aplicação da Agricultura 4.0 exige investimento em pessoas, processos e tecnologias. Pessoas, para que saibam lidar com as novas demandas e desafios que a essa revolução exige processos, já que a Agricultura 4.0 muda a forma como lidamos com dados e informações do agronegócio; e tecnologias, pois demanda o uso de hardware e software que viabilizam a sua aplicação, como sensores, dispositivos móveis, entre outros”, afirma Magalhães.

Apesar dos benefícios com os avanços tecnológicos no campo, o presidente da Asbraer ressalta os desafios para as empresas públicas de Ater se adequarem a essa nova realidade. Entre eles está o acesso à internet para o pequeno agricultor. “No campo, isso ainda é um fator limitante. O acesso à internet até tem crescido nas zonas rurais, mas não no mesmo ritmo e com a mesma qualidade dos grandes centros. Logo, investimento em infraestrutura pode significar um marco da Agricultura 4.0 no nosso país”, disse.

Emater 4.0

Buscando atender à demanda de uma sociedade cada vez mais conectada, a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais (Emater-MG), órgão vinculado à Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), é uma das pioneiras ao implantar o seu programa Agricultura 4.0.

“Parte dele é a mudança cultural da empresa. Temos o grande desafio de fazer com que a vanguarda digital chegue à agricultura familiar, elevando sua produtividade. A inovação, cada vez mais é um insumo indispensável no campo”, afirma o gerente da Assessoria em Gestão de Tecnologia da Informação, Marcos Lopes.

Uma das iniciativas da Emater-MG é o lançamento da plataforma digital Deméter. A ideia é oferecer ao técnico da empresa um sistema para auxiliar nas suas atividades. O software pode ser acessado por tablet, por exemplo, substituindo muitos trabalhos desenvolvidos em planilhas, formulários ou manualmente.

O diretor-presidente da Emater-MG, Gustavo Laterza, ressalta que a empresa e o serviço de Ater precisam se reinventar e se adaptar às mudanças para prestar um atendimento diferenciado. “Essas plataformas digitais serão ferramentas para ofertar ações tecnológicas, que possam melhorar o trabalho no campo. Porém, mais do que utilizar ferramentas tecnológicas, o que a gente quer é despertar os técnicos e produtores para este novo caminho e levar melhor atendimento ao campo, conhecimento, oportunidades e soluções às famílias rurais e demais clientes”, diz Laterza.

Entendendo a Agricultura 4.0

O termo Agricultura 4.0 é uma referência à Indústria 4.0, iniciada na indústria automobilística alemã com a completa automatização dos processos produtivos por meio das tecnologias digitais. A Agricultura 4.0 segue o mesmo princípio.

“A Agricultura 4.0 se baseia em conteúdo digital por meio do processamento e análise do grande volume de dados, que vêm sendo produzidos em todas as áreas que contribuem com o desenvolvimento agrícola, como a biotecnologia, mudanças climáticas, geotecnologias e ciências agrárias. Conhecimentos que serão aplicados em todos os elos da cadeira produtiva, desde a pré-produção, passando pela produção até a fase de pós-produção”, afirma a chefe-geral da Embrapa Informática Agropecuária, Sílvia Massruhá.

Algumas das tecnologias empregadas na Agricultura 4.0 são: internet das coisas, robótica, veículos autônomos, sensores, drones e satélites. De acordo com Sílvia Massruhá, a agricultura digital possibilita a conexão de softwares e sistemas digitais às máquinas, automatizando e otimizando a gestão da propriedade e reduzindo o tempo de trabalho. “O processamento de dados torna-se mais eficaz e dá suporte nas tomadas de decisões no manejo das atividades agropecuárias. Com isso, a Agricultura 4.0 pode contribuir para melhorar o índice de produtividade, eficiência no uso de insumos e redução de gastos com mão de obra”, diz.

De acordo com a chefe-geral da Embrapa, um levantamento de 2015 feito pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil aponta que 71% dos indivíduos da zona rural possuem telefone celular e que, deste total, 85% já acessaram a internet. Isso demonstra como as pessoas do campo estão conectadas. “A internet e o celular são a porta de entrada para o uso de soluções tecnológicas. Por exemplo, por meio de uma foto de uma folha com doença, tirada com o celular, o produtor pode utilizar um aplicativo que identifique essa doença e forneça informações fitossanitárias. Também é possível fazer consultas sobre clima, condições de mercado e realizar gestão do rebanho, entre outras”, relata Massruhá.

Desafios

Apesar dos benefícios da Agricultura 4.0, na atualidade, nem todos os produtores têm condições de ter acesso a ela. De acordo com a Silvia Massruhá, o custo ainda é elevado, sendo mais acessível ao grande produtor. Segundo ela, um caminho viável para que o pequeno e médio se beneficiem da agricultura digital é por meio de capacitação e adoção destas tecnologias via cooperativas e associações de produtores. “À medida que os produtores perceberem que estas tecnologias agregam valor à cadeia produtiva, eles devem começar a adotá-las e, com isso, a tendência é que o custo diminua”, ressalta a chefe-geral da Embrapa Informática Agropecuária.

Sílvia Massruhá chama a atenção, ainda, para as consequências de o fato de alguns produtores estarem preparados para lidar com a agricultura digital e outros não. Aqueles que adotarem a Agricultura 4.0 terão acesso a um amplo conhecimento e terão um subsídio muito maior para tomar decisões mais acertadas do que aqueles que continuarem se baseando somente em experiência e observações empíricas”.

Série Emater 4.0

Na próxima matéria da série Emater 4.0 vamos falar um pouco mais sobre o sistema Deméter, uma plataforma digital desenvolvida para agilizar e facilitar o trabalho dos extensionistas da Emater-MG. Tudo pensando no melhor atendimento ao produtor rural.


Sebastião Avelar / Ascom Emater-MG

Fotos: Alexandre Soares

Enviar para impressão