Durante a pandemia de coronavírus, a Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) tem atuado no incentivo ao cultivo de hortaliças não convencionais no Campo das Vertentes. O objetivo das ações é gerar alimento e ocupação saudável para as pessoas, além de contribuir para o enfrentamento da pandemia de Covid-19.

O projeto consiste na distribuição de sementes de hortaliças não convencionais a famílias e hortas comunitárias de municípios. A equipe da Epamig em São João del-Rei, responsável por preparar, embalar e distribuir as espécies de sementes para a população, garante que todas as medidas são realizadas de acordo com as normas de prevenção adotadas pelo Comitê Extraordinário do governo de Minas em combate à Covid-19.

A primeira ação do projeto foi realizada no mês de abril no município de Santa Cruz de Minas (saiba mais aqui). Na última semana, a equipe de São João del-Rei foi procurada por representantes do Laticínios Vitória para uma parceria de divulgação das hortaliças não convencionais entre os colaboradores do laticínio. Segundo a pesquisadora da Epamig, Izabel Cristina dos Santos, a equipe se organizou e preparou kits com sementes de almeirão-roxo e maria-gorda, além de sementes de tagetes anão, espécie de flor com pétalas comestíveis. Os kits são acompanhados de instruções de plantio.

Para famílias com hortas maiores, os pesquisadores Izabel Santos e Cláudio Faccion prepararam 20 kits com uma cartilha sobre hortaliças não convencionais e sementes de alho-de-folha, bertalha, jiló gigante, maria-gorda, quiabo-comum e vagem-de-metro. "No total, disponibilizamos 720 amostras de sementes, 200 folders e 20 cartilhas", afirma Izabel.

As sementes de tagetes anão são frutos das atividades do projeto "Produção de flores comestíveis em sistema agroecológico: diversificação da produção e da renda na agricultura familiar". Já as sementes das hortaliças não convencionais são resultantes das atividades do projeto "Manutenção do banco de plantas alimentícias não convencionais da Epamig em São João del-Rei".

Os responsáveis por embalar, identificar as sementes e elaborar as instruções de plantio foram os pesquisadores da Epamig, Izabel Cristina dos Santos, Cláudio Faccion e Simone Reis. A Epamig é uma empresa vinculada à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais (Seapa).